criar site

Carteiros de Mococa participam de ato em Campinas

Sem acordo em audiência, greve vai a julgamento após carnaval
(Foto: arquivo pessoal)
(24/2/2014 – www.mococa24horas.com.br) Audiência de conciliação entre Correios e Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e similares, a Fentect, realizada nesta segunda-feira, 24, no Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, terminou sem acordo. Agora, a greve, que já dura 27 dias, será decidida em julgamento na Seção Especializada em Dissídios Coletivos, do TST, em data a ser definida. A greve já atinge 13 Estados. 
Na semana passada, o ministro Márcio Eurico Vitral Amaro, do TST, proibiu os Correios de fazer qualquer desconto nos salários dos funcionários durante o período de greve e determinou a devolução de valores descontados.
Os funcionários dos Correios lutam contra a privatização do convênio médico e por melhores condições de trabalho.

(Foto: arquivo pessoal)


Carteiros mocoquenses em ato público – Os carteiros mocoquenses que aderiram à greve nacional participaram nesta segunda-feira, 24, de ato público em Campinas. O ato foi realizado em frente da agência central dos Correios e percorreu as ruas centrais da cidade. O movimento reuniu mais de 300 carteiros de toda a região.






Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Balança comercial de Mococa sofre queda em 2013

Venezuela foi o principal destino das exportações
(Foto: reprodução)
(17/2/2014; atualizada em 21/2 - www.mococa24horas.com.br) Segundo indicadores do Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas em conjunto com o Departamento de Relações Exteriores do Ciesp - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo e da Fiesp - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a partir de dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a balança comercial (exportações menos importações) de Mococa em 2013 fechou em queda na comparação com 2012, apesar do resultado positivo. O saldo da balança comercial mocoquense no ano passado registrou US$ 12,6 milhões contra R$ 15,9 milhões em 2012.
Venezuela foi o principal destino das exportações de Mococa – Em 2013, Mococa exportou US$ 15,7 milhões, com destaque para: laticínios (US$ 11,3 milhões); produção de lavouras permanentes (US$ 2,6 milhões); e fabricação e refino de açúcar (US$ 392 mil). Os principais destinos das exportações da cidade foram a Venezuela (33,59% do total exportado), a Tunísia (11,98%) e a Arábia Saudita (9,78%).
Empresa mocoquense compra mais da Alemanha - Os principais fornecedores de produtos para as empresas mocoquenses estão localizados na Alemanha (28,5% do total importado), Suíça (20,11%), Itália (13,16%), China (9,7%) e Taiwan - Formosa (8,97%). Sendo que o principal produto importado vem do grupo Fabricação de máquinas-ferramenta (27,3%), seguido de Fabricação de tubos de aço, exceto tubos sem costura (26,4%) e Siderurgia (17,5%).
Região – Na região, São José do Rio Pardo apresentou o melhor saldo de balança comercial em 2013 (US$ 25,5 milhões), seguida de São João da Boa Vista (US$ 17,5 milhões). A balança comercial de Casa Branca ficou em US$ 2,2 milhões.





Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br



Cancelada palestra com Gaby Lourenço sobre vendas e atendimento ao cliente

Palestrante é consultora na área de atendimento a cliente há mais de 10 anos
(Foto: divulgação)
(15/2/2014; atualizada em 20/2www.mococa24horas.com.brA palestra “Quer Vender Mais? Atenda Melhor!” com a gestora de pessoas Gaby Lourenço que estava programada para acontecer nesta terça-feira, 25, às 19h30, no Auditório do Colégio Maria Imaculada, em Mococa, foi cancelada. Em nota à imprensa nesta quinta-feira, 20, a organização do evento informou que o cancelamento foi provocado “por falta das devidas parcerias”:
“Sempre realizamos palestras com muito sucesso em todas as cidades por onde percorremos, porém, em Mococa, por falta das devidas parcerias, foi necessário cancelarmos o evento que estava agendado para o dia 25 de fevereiro.
Agradecemos pelo apoio que recebemos desse veículo de comunicação e esperamos realizar um evento na cidade de Mococa em breve com sucesso absoluto, como tem sido até aqui”.



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Água: uma riqueza a ser preservada

Economizar, não poluir e conservar a água
é essencial  para a sobrevivência da própria humanidade

(Foto: reprodução)
Por Welson Gasparini

Andei lendo alguns artigos que escrevi em 2011, no primeiro ano do meu atual mandato como deputado estadual, encontrando num deles motivação para tratar de um problema da mais absoluta gravidade: a água, essa riqueza lamentavelmente finita, ora começando a faltar em inúmeras torneiras de Ribeirão Preto e de toda a nossa região. Focalizava, então, minha participação em reunião do Rotary Clube Ribeirão Preto-Irajá (do qual, orgulhosamente,  sou sócio honorário) e manifestava o meu entusiasmo com uma iniciativa desse clube de  serviços: o lançamento do “Projeto Água”,  voltado  para a defesa do meio ambiente e iniciado, em sua parte prática, orientando e criando uma consciência conservacionista nos  alunos do Colégio  Santos Dumont relativamente à importância fundamental da água. Os alunos acompanharam  palestras relacionadas ao tema e, no final,  participaram  de  um concurso de redação, com direito a prêmios para os primeiros colocados.  Esse projeto tornou-se  possível graças à iniciativa do  Rotary Club Irajá e da Casa da Amizade, com o apoio do Ribeirãoshopping, da L´uminus, do programa “Maurício e Marcelo”, da Scala Adesivos, da Associação Diabetes de Ribeirão Preto, da DiGalvez – Ferramentas de Corte, da Facchini, da Supera – Ginástica para o Cérebro e da Kaufe Infoeletro.
Aproveitei para fazer reflexões sobre  a importância da água em nossas vidas e o quanto é necessário  evitar o  desperdício, infelizmente acontecendo em  larga escala no  nosso  dia a dia. Economizar, não poluir e conservar a água é essencial  para a sobrevivência da própria humanidade. Torna-se, portanto, de pungente atualidade a mensagem preconizada pelo Projeto Água: “a consciência de que é preciso mudar dependerá de nós, de nossas atitudes, comportamentos e nosso grau de civilidade”
Dados foram então apresentados: uma  torneira mal fechada, por exemplo,  pinga,  em um dia,   quantidade de água  suficiente para matar a sede de uma pessoa por vinte dias; uma ducha de 15 minutos, com a torneira aberta, consome 240 litros de água. Se fecharmos a torneira, enquanto nos ensaboamos, podemos reduzir pela metade esse consumo.Outro dado significativo: o ser humano pode passar 28 dias sem comer, mas só 3 dias sem beber água!
Esse Projeto Água cumpriu o seu papel de  orientar e esclarecer mas, agora, é preciso ir além: a redução do consumo de água doméstico tornou-se, até mesmo, uma questão de consciência. O uso consciente da água precisa ser adotado por todos nós  num momento em que o racionamento de água já acontece em São Paulo e em cidades de nossa região como Altinópolis, Batatais, Bebedouro, Cravinhos, Serrana e Pitangueiras.  Em Ribeirão Preto mesmo existem moradores- conforme a imprensa noticiou -  há 40 dias sem o precioso líquido em suas residências.
Prevenir, comprovadamente, sempre é melhor do que remediar: é preferível, portanto, um racionamento movido pela sensatez do que um racionamento compulsório,  conforme já começam a adotar  inúmeras cidades compelidas – em função da prolongada estiagem – pelo aumento da demanda e pela diminuição da oferta de água.





Welson Gasparini é deputado estadual/PSDB, advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto



Mococa é vice na 1ª Copa LHESP de Handebol

Em 2013, equipe foi vice na Liga Estadual e na 14ª Copa
(Foto: divulgação)

(12/2/2014; atualizada em 19/2 - www.mococa24horas.com.br) A equipe de handebol feminino, categoria cadete, do Departamento de Esportes, Recreação e Lazer, o Derla, da Prefeitura de Mococa, disputou neste domingo, 16, a 1ª Copa LHESP de Handebol, na Faculdade Einstein, em Limeira, e ficou com o vice-campeonato do torneio. A 1ª Copa LHESP de Handebol - Categoria Feminina foi vencida pela equipe da SER Paulínia/Objetivo, em 3º lugar ficou o Clube Mogiano e em 4º, Americana. Na categoria masculina, a equipe de Piracicaba foi a vencedora. 
A competição feminina reuniu as melhores equipes de 2013 (Paulínia; Votorantim; Clube Mogiano, de Mogi Mirim; Derla/Mococa; Votorantim) mais a da cidade-sede, Limeira, e foi promovida pela Liga de Handebol do Estado de São Paulo, a LHESP. Jundiaí, campeã da Liga no ano passado, não participou. Além do torneio, a Liga promoveu palestras para os árbitros das competições.
Campanha - A equipe mocoquense teve 3 vitórias e 1 derrota no torneio. Confira os resultados: Derla/Mococa 17x4 Americana; Derla/Mococa 18x2 Limeira/Einstein; Derla/Mococa 15x6 clube Mogiano; e Derla/Mococa 10x11 SER Paulínia/Objetivo.

Equipes estão com sede de vencer em 2014
(Foto: divulgação)
Pré-temporada – As equipes mocoquenses de handebol feminino e masculino (foto) que são comandadas pelo técnico Diego de Lima estão treinando forte desde o começo de janeiro. Segundo o técnico, a preparação tem como objetivo a temporada 2014, que terá importantes competições, além do campeonato estadual da Liga de Handebol (Copa São Paulo, Jogos Abertos da Juventude, Jogos Regionais e Copa Derla), “todas as equipes masculinas e femininas da base até as principais vem treinando forte para continuar conquistando seus objetivos e trazendo alegria para nosso município”. Diego de Lima também aproveita para agradecer o apoio, “o Handebol agradece a Prefeitura Municipal através do DERLA, a APAHM - Associação de Pais e Amigos do Handebol de Mococa e todos os patrocinadores”.



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Indústria da região perde 650 vagas em janeiro

Resultado foi pior que janeiro de 2013
(Foto: reprodução/divulgação)
(13/2/2014; atualizada em 15/2 - www.mococa24horas.com.br) O nível de emprego na indústria da região de São João da Boa Vista, que abrange Mococa, São José do Rio Pardo, Tapiratiba, Divinolândia, Casa Branca, Caconde, São Sebastião da Grama, Santa Cruz da Esperança, Cajuru, Cássia dos Coqueiros, Santa Rosa de Viterbo, Tambaú, Santa Cruz das Palmeiras, Aguaí, Espírito Santo do Pinhal, Santo Antonio do Jardim, Águas da Prata, Vargem Grande do Sul e Itobi, encerrou o mês de janeiro com redução de aproximadamente 650 empregos e a variação ficou em -2,18%.
A Diretoria Regional do Ciesp, em São João da Boa Vista, com exclusividade ao mococa24horas, fez a seguinte análise do resultado negativo verificado em janeiro na região com o emprego industrial: “O índice do nível de emprego industrial  foi influenciado pelas variações negativas dos setores de Produtos Alimentícios (- 8,12%), Produtos de Metal, exceto Máquinas e Equipamentos (-0,60%), Máquinas e Equipamentos (-0,59%) e Produtos de Minerais Não Metálicos (-0,12), que são os setores que mais influenciam o cálculo do índice total da região”.
Analisando o acumulado em 12 meses, a diretoria do Ciesp informou:  “Em 12 meses, temos um acumulado de -5,18%, representando uma redução de aproximadamente 1.600 postos de trabalho”. Na comparação com o mês de janeiro de 2013, o Ciesp avaliou que: “Quando comparados os meses de janeiro dos anos de 2013 e 2014 temos um cenário pior, pois em janeiro de 2013 o resultado foi negativo em -1,17%”.
Região de São João da Boa Vista lidera o ranking da variação negativa de emprego - A pesquisa da Fiesp e do Ciesp mostrou ainda que das 36 regiões analisadas, 20 tiveram variação positiva de emprego, 11 negativa e 5 ficaram estáveis.
As regiões com melhor desempenho no quadro de empregos foram as de Franca (4,72%), Jaú (3,75%) e Araçatuba (1,48%).
Já a região de São João da Boa Vista liderou no resultado negativo de emprego (-2,18%), seguida de Jacareí (-1,90%) e Piracicaba (-1,82%).



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br




Horário de verão: consumo de energia cai 0,52% na região


Saiba como se adaptar ao fim do horário
(Foto: reprodução)

(13/2/2014; atualizada em 16/2 – www.mococa24horas.com.br) O horário de verão terminou à meia-noite deste domingo, 16, quando os relógios foram atrasados em 1 hora. De acordo com nota divulgada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico, a 43ª edição do horário de verão representou cerca de R$ 405 milhões de economia de energia para o país. No Estado de São Paulo foi verificado uma economia de 4,8% da demanda, uma redução de 1.027 MW, nos 119 dias do horário especial.
Segundo a CPFL Energia, controladora da CPFL Mococa e CPFL Leste Paulista, foi registrado uma redução de 0,52% no consumo de energia elétrica na região onde atua, que abrange Mococa, São José do Rio Pardo, dentre outras cidades. Também foi verificada uma diminuição de 1,72% na demanda no horário de pico. A economia no consumo de energia elétrica corresponde a 55.838 MWh, valor suficiente para atender uma cidade como Campinas por 5 dias ou Ribeirão Preto por 9 dias.
Como adaptar o relógio biológico – Com o fim do horário de verão muitas pessoas sofrem para se adaptar, geralmente levam uma semana, mas outras podem levar até um mês, apresentando quadros de sonolência, irritabilidade e mau humor pela manhã. Segundo especialista consultado pelo mococa24horas, a dica é manter uma boa qualidade do sono (com ambiente escuro, silencioso e boa temperatura todos os dias), evitar consumir café, chá preto e bebidas estimulantes no final do dia, além de não fazer exercícios extenuantes três horas antes de dormir e comida pesada.



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons -Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Mais de 8 mil mocoquenses lutam por correção do FGTS

TR não repõe perdas inflacionárias 
(Foto: reprodução)

(10/2/2013 – www.mococa24horas.com.br) Mais de 2 milhões de trabalhadores já entraram na Justiça em todo o País para tentar conseguir a correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, o FGTS, uma vez que o Supremo Tribunal Federal julgou a correção pela Taxa Referencial, a TR, inconstitucional, não considerando a taxa como indicador de correção monetária.
Na quarta-feira, 5, a Defensoria Pública da União ajuizou uma ação civil pública na 4ª Vara do Tribunal Federal (Estado do Rio Grande do Sul) pedindo uma correção maior do FGTS.  O pedido parte do entendimento de que a TR não repõe as perdas inflacionárias do período (1999 a 2013) e a ação tem abrangência nacional. A decisão valerá para quem já entrou com pedido de correção e para quem ainda não entrou na Justiça. A CEF pode recorrer.
Mais de 8 mil mocoquenses - Em Mococa, sob a liderança do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Mococa e Região, no ano passado mais de 8 mil trabalhadores de várias categorias profissionais ingressaram com uma ação coletiva direcionada à CEF pedindo a correção do dinheiro do FGTS. Segundo o presidente da entidade sindical, vice-presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo e vereador, Francisco Sales Gabriel Fernandes, “Chico do Sindicato”, o sindicato dos metalúrgicos foi o único a entrar com a ação na cidade e que esta correção é um direito do cidadão. 
Chico do Sindicato (foto) lembra ao mococa24horas a função cidadã do sindicato, que está sempre em defesa dos direitos dos mocoquenses, e que esta ação teve a participação de trabalhadores de outras categorias profissionais, além dos metalúrgicos. Disse também que os milhares de mocoquenses que buscaram o Sindicato dos Metalúrgicos de Mococa e Região para participar da ação coletiva foi uma mobilização surpreendente e também gratificante, uma vez que revelou a confiança que o trabalhador mocoquense deposita na entidade.
Saiba mais – Tem direito a entrar nesta ação coletiva que cobra na Justiça uma correção maior do FGTS quem trabalhou com carteira assinada a partir de 1999, inclusive os trabalhadores que já sacaram o valor depositado no Fundo.
A Caixa Econômica Federal usa a Taxa Referencial para atualizar o FGTS, além de uma correção de 3% ao ano, sistemática que atualiza o saldo menor do que a inflação nesse período (1999 a 2013). 
Em 2013, o STF decidiu que a TR não é suficiente para corrigir os precatórios.




Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

A Família como centro da vida

"Precisamos aprender a cultivar menos os valores econômicos
e mais os valores de vida"

(Foto: reprodução/divulgação)
Por Welson Gasparini

Atendendo gentil convite de Edna Maria Barbosa de Matos, presidente do Rotary Clube de Ituverava, recentemente estive naquela cidade para proferir palestra sobre um tema que me preocupa, motiva e empolga: “FAMÍLIA.”   Os jornais focalizam, todos os dias – e com grande destaque – a violência urbana que, a cada momento,  faz mais vítimas, criando um clima de desconforto para a sociedade em geral.  Há, ainda,  debates sobre quais seriam os melhores caminhos para o desenvolvimento da nossa economia. Falam de juros, divida pública, desequilíbrio fiscal, controle da moeda, resultados das importações e exportações e outros temas até mesmo de  difícil entendimento para as camadas menos esclarecidas da população...
Lamentavelmente, pouca ou quase nenhuma atenção é dada à grave crise moral que  estamos atravessando. Aproveitei, assim, minha fala para destacar a omissão dos nossos governantes e de todos nós quanto à necessidade de uma reação diante desse quadro desalentador representado pela desagregação familiar,  origem básica de tantos desacertos... Muitas das nossas escolas  estão formando uma juventude totalmente alienada quanto à importância dos valores de vida; as  famílias, através dos pais e das mães, já não transmitem aos seus filhos princípios  espirituais,  morais e éticos  que deveriam conduzir os seus atos. Há,  apenas, a preocupação de orientá-los para serem  vitoriosos nas suas atividades, alcançando o maior êxito econômico possível. A degradação moral e ética chegou a tal ponto – conforme tive oportunidade de afirmar em pronunciamentos na tribuna da Assembleia Legislativa e em artigos para os jornais - que a sociedade respeita e admira o bem sucedido economicamente, desculpando suas desonestidades e vendo nas suas ações uma conduta “esperta”;. A malandragem, em muitos casos,  chega  até a ser indicada aos jovens como o caminho mais fácil para o sucesso, não importando que o  próximo ser lesado.  Quem manda – segundo essa mentalidade -  ele ser “bobo” ou “otário”?
A desagregação da família já está produzindo consequências terríveis e poderá ser mais ainda agravada se não houver, reitero, uma reação. Nos dias atuais, temos quase mais separações que novas uniões de casais. E, principalmente na classe pobre, estas separações acabam levando os filhos  dessas desuniões a serem moradores de ruas, viverem em orfanatos ou se abrigarem, em função de delitos cometidos, na Fundação Casa. É  urgente e imprescindível, portanto,  uma avaliação serena  da situação da família brasileira e a crise de valores morais e espirituais por ela vivida  para que uma reação forte aconteça. Como parte dessa reação, precisamos aprender a cultivar menos os valores econômicos e mais os valores de vida; a valorizar a convivência familiar; a estimular o respeito e o diálogo entre os pais e os filhos!
É fundamental  as famílias se unirem  em torno de princípios e de valores éticos e morais;  que saibam difundir, entre seus integrantes, a importância da solidariedade, da amizade e do respeito ao próximo; que cada um saiba  respeitar e tratar o semelhante  como gostaria de ser respeitado e tratado...




Welson Gasparini é deputado estadual/PSDB, advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto.

Emprego em Mococa avança em 2013

Indústria da Transformação foi o que gerou mais empregos em 2013
(Foto: reprodução/divulgação)
(8/2/2014 - www.mococa24horas.com.br) Segundo dados apurados pelo mococa24horas junto ao Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Emprego, em 2013 o saldo de vagas de emprego com carteira assinada em Mococa avançou em relação a 2012. No ano passado, a cidade apresentou saldo de 818 empregos, com 8.980 admissões e 8.162 demissões, e uma variação de 4,57%. Em 2012, teve saldo de 674 empregos, com 8.275 admissões e 7.601 desligamentos, e uma variação de 3,91%.
Indústria de Transformação: setor que mais admitiu em 2013 - No ano passado, o setor que gerou mais emprego com carteira assinada em Mococa foi o de Indústria de Transformação (2.208 admissões), seguido de Agropecuária (2.058 admissões) e Comércio (2.042 admissões). O setor de Indústria de Transformação apresentou saldo de 416 empregos (2.208 admissões e 1.792 demissões) e variação de 9,18%.
Agropecuária liderou demissões em 2013 - Já o setor de Agropecuária liderou as demissões na cidade (2.002 demissões), seguido de Comércio (1.891 demissões) e Indústria de Transformação (1.792 demissões). O setor de Agropecuária apresentou saldo de 56 empregos (2.058 admissões e 2.002 demissões) e variação de 1,83%
2012: Comércio admitiu mais e Agropecuária demitiu mais - Em 2012, o setor que mais admitiu foi o de Comércio (2.080), seguido de Serviços (1.948 admissões) e Agropecuária (1.880 admissões). O setor de Agropecuária liderou as demissões (2.013 demissões), seguido de Comércio (1.788 demissões) e de Serviços (1.631 demissões).



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Em Mococa, 4 presos não voltam da saída temporária do Natal/Ano Novo

Considerados foragidos, quando forem recapturados
voltarão para o regime fechado
(Foto: Google Earth/divulgação)
(7/2/2014 - www.mococa24horas.com.br) De acordo com informações da Secretaria de Administração Penitenciária, a SAP, exclusivas ao mococa24horas, até o momento 4 presos estão foragidos porque não voltaram para o Centro de Ressocialização de Mococa (foto) após o benefício da saída temporária do Natal/Ano Novo.
Este número representa 2,23% do total de 179 presos reeducandos que foram beneficiados com a medida, que atinge detentos com "comportamento adequado, cumprimento mínimo de um sexto da pena, se o condenado for primário, e um quarto, se reincidente, e compatibilidade do benefício com os objetivos da pena", segundo a legislação pertinente. Em 2012, 165 presos foram beneficiados com a saída temporária no CR de Mococa, não retornando 4, representando 2,42% de não retorno.
Páscoa - A próxima saída temporária de presos está prevista para acontecer na Páscoa e a Secretaria de Administração Penitenciária ainda não tem como prever quantos presos serão beneficiados, uma vez que depende de decisão judicial.
O CR de Mococa, inaugurado em 2001, atualmente tem 187 detentos e capacidade para 214 presos, segundo a SAP.
O que é saída temporária? - Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, "A saída temporária é um benefício previsto na Lei de Execuções Penais e depende de autorização judicial. Os condenados que cumprem pena em regime semiaberto, de bom comportamento, poderão obter autorização para saída temporária do estabelecimento, por prazo não superior a sete dias, durante cinco vezes ao ano. A autorização é concedida por ato normativo do Juiz de Execução, ouvidos o Ministério Público e a Administração Penitenciária. A Lei prevê cinco saídas que costumam ocorrer no: Natal/Ano Novo, Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças/Finados".
"É importante lembrar que quando o preso não retorna à Unidade Prisional, é considerado foragido e perde automaticamente o benefício do regime semiaberto, ou seja, quando recapturado, volta ao regime fechado", salienta a SAP.




Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Greve nacional dos Correios ganha mais adesões em Mococa

Movimento reivindica manutenção do plano de saúde,
entrega de correspondências pela manhã
e pagamento do plano de cargos

(Foto: arquivo pessoal)
(6/2/2014 – www.mococa24horas.com.br) A greve nacional dos funcionários dos Correios já completa oito dias e o movimento ganhou mais adesões no Centro de Distribuição Domiciliar, o CDD, na R. Cel. Diogo, em Mococa. Agora são 12 carteiros mocoquenses cobrando melhores condições de trabalho, a saber: manutenção do plano de saúde, pagamento do plano de cargos, carreiras e salários e entrega de correspondências no período da manhã, em virtude do forte calor que vem sendo registrado na cidade.
A paralisação, que já é considerada histórica em Mococa, ainda não conseguiu a adesão de funcionários da AC-Mococa, na R. Carmo Taliberti, Centro, mas revela o descontentamento da categoria em relação aos Correios, que descumpriu cláusulas do dissídio coletivo já acertadas com o Tribunal Superior do Trabalho no ano passado.
Entrevista – Confira a entrevista concedida com exclusividade ao mococa24horas pelo carteiro Ricardo Oliveira a respeito desta paralisação que atinge 60% dos carteiros de Mococa:

- A paralisação de 12 carteiros (no CDD) em Mococa já é considerada histórica?
Ricardo Oliveira – “A paralisação dos 12 carteiros em Mococa é histórica, sim, foi a primeira vez que teve uma adesão desse tamanho. As reivindicações dos mocoquenses são as mesmas que o âmbito nacional; a greve não é só em Mococa, mas, sim, nacional”. 

- Quais são as reivindicações dos carteiros mocoquenses?
Ricardo Oliveira - “Lutamos pela manutenção do plano de saúde; a empresa não cumpriu o acordo coletivo 2013, onde foi estabelecido pelos ministros do TST que a empresa seria a gestora do plano de saúde e que não haveria nenhuma mudança no plano, porém a empresa está tentando implantar o novo plano sem que haja uma negociação, ou seja, ela quer implantar de qualquer jeito.
Vou explicar como funciona o plano: Hoje nós temos um plano onde não pagamos mensalidade e temos uma taxa de 10% a 20% do valor utilizado e vem descontado no holerite. Se o plano mudar iremos pagar uma mensalidade que varia de acordo com a idade do funcionário, ou seja, quanto mais velha a pessoa, mais caro ela pagará...; outra: ela paga também pelos dependentes (se ela tiver 2 dependentes a pessoa vai pagar por 3 pessoas) e tem mais: pagaremos mensalidade independente de usar, se ficarmos 1 ano sem ir no médico ou dentista, vamos pagar do mesmo jeito . E quando utilizamos pagaremos também 50% do valor utilizado e se no final do ano o novo plano estiver no prejuízo nós também iremos pagar. Seria uma espécie de caixa de assistência”.


(Foto: divulgação)
Entrega de correspondência pela manhã – “Outra reivindicação é sobre a inversão do horário de entrega de correspondências onde a empresa se comprometeu a fazê-la, mas não fez. Novamente ela não cumpriu com o acordo coletivo. Veja, se você na sua casa sente calor imagine nas ruas no horário do meio-dia até às 5 da tarde; corre o risco do carteiro ter câncer de pele, desidratação e outras doenças. Os médicos advertem que somente o protetor solar não é suficiente”.
PCCS 95 – “Mais uma demanda é em relação às referências salariais que estão atrasadas, o chamado PCCS 95, onde o sindicato conseguiu na Justiça o direito de pleitear esse ajuste salarial, mas a empresa não fez os pagamentos e o ajuste”.

- Quais as mudanças no plano de saúde anunciadas pelos Correios que levou a esta paralisação? 
Ricardo Oliveira – “Seria a mudança da gestão do plano de saúde, onde os Correios deixariam de ser os responsáveis e jogariam toda a responsabilidade nas mãos de pessoas indicadas pelo governo. Mas com as despesas custeadas pelos funcionários”.
- Em nota, os Correios informaram que não haverá mudanças no plano de saúde. Qual a sua opinião a respeito? 
Ricardo Oliveira – “Os Correios dizem que não haverá mudanças, mas existem casos em alguns estados onde já está tendo cobranças; tem mais: no próprio estatuto do Postal Saúde tem uma cláusula que diz sobre pagamento e também sobre exclusão daqueles que estiverem em débitos com o plano. Na minha opinião, acho que se esse plano for efetivado nós funcionários iremos arcar com as conseqüências”.
- Tem paralisação na AC-Mococa (R. Carmo Taliberti)? 
Ricardo Oliveira – “Não tem paralisação na AC. Infelizmente nossos companheiros atendentes não aderiram ao movimento em defesa do plano de saúde”.
- Como estão os serviços de entregas e encomendas em Mococa e região? 
Ricardo Oliveira – “A entrega de encomendas em Mococa e na região está tendo atraso, mas não sei te informar o quanto. Mococa tem 20 carteiros e 12 estão de greve;  assim, a entrega está tendo, mas com atraso”.

Leia também:

http://www.mococa24horas.com.br/2014/02/carteiros-de-mococa-e-sao-joao-aderem.html






Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Radium não disputará Segundona 2014

Em 2013, na última partida oficial, Radium F.C. jogou de amarelo 


(5/2/2014 – www.mococa24horas.com.br) Não atendimento das exigências do Departamento de Competições da Federação Paulista de Futebol. Este é o motivo que levou o Radium F.C. a não disputar o Campeonato Paulista de Futebol Profissional da 2ª Divisão - 2014, promovido pela Federação Paulista de Futebol, que começa em 5 de abril. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da Federação Paulista de Futebol ao mococa24horas e deixou torcedores radiúnicos apaixonados desapontados.
Além do “Verdão da Mogiana”, não disputam a Segundona 2014, considerado o torneio estadual com o maior número de participantes (39 participantes), as equipes do Palmeirinha, de Porto Ferreira; Paulistinha, de São Carlos; e Américo, de Américo Brasiliense.
Já para participar dos torneios estaduais de categorias de base (sub11, sub13, sub15 e sub17) promovidos pela Federação, a diretoria do Radium F.C. tem até a próxima sexta-feira, 14, para enviar ofício solicitando a participação nesses campeonatos.
Retrospectiva – Em 2013, o Radium F.C. ficou na última colocação do Grupo 4 (6º lugar) e foi eliminado na 1ª fase do Campeonato Paulista de Futebol Profissional da 2ª Divisão, promovido pela Federação Paulista de Futebol. Foram 10 jogos, sem conhecer o sabor de uma vitória sequer, com 6 derrotas e 4 empates. Uma das piores campanhas do “Verdão da Mogiana” na competição.
Em 2012, conseguiu 1 vitória, 4 empates e 3 derrotas, ficando em 5º lugar no Grupo 3 e eliminado também na 1ª fase. Em 2011, o Radium não disputou a Segundona em virtude de uma suspensão determinada pela Federação Paulista de Futebol. (Leia notícia relacionada: http://www.mococa24horas.com.br/2012/07/radium-goleado-e-eliminado-da-segundona.html) Em 2010, o Radium foi eliminado na 1ª fase, ficando na 5ª colocação do Grupo 3, com 5 vitórias, 1 empate e 6 derrotas.




Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Quarteto de Cordas faz concerto gratuito no Teatro Municipal

Quarteto traz música erudita de qualidade a Mococa
(Foto: Denise Andrade/divulgação)
(4/2/2014 - www.mococa24horas.com.br) O consagrado Quarteto de Cordas, formado pelos músicos brasileiros Cláudio Cruz, Horácio Schaefer e Roberto Ring e o romeno Adrian Petrutiu, se apresenta neste sábado, 8, às 20h30, no Teatro Municipal "Pedro Ângelo Camin", em Mococa.
Será a primeira vez que o quarteto se apresenta na cidade e o concerto faz parte do projeto “Instrumental Clássico no Estado de São Paulo”, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.
Programa - O concerto do Quarteto de Cordas vai ter composições de Schubert, Beethoven e Villa-Lobos.
Confira o programa:
- F. Schubert (1797 – 1828)

- Quarteto de Cordas nº 14 em ré menor D. 810 – “A morte e a Donzela”

- L. van Beethoven (1770 – 1827)
- Quarteto para cordas nº 8 em mi menor Op. 59 nº 2 – “Razumovsky”
- H. Villa-Lobos (1887 – 1959)
- Quarteto para cordas nº 1

Sobre o Quarteto de Cordas – Considerado um conjunto de excelência, “o Quarteto de Cordas é formado por Cláudio Cruz (violino), Adrian Petrutiu (violino), Horácio Schaefer (viola) e Roberto Ring (violoncelo) e já ultrapassou a incrível marca de 400 concertos. Músicos requisitados, trabalham juntos há mais de 20 anos e estão em constante atividade. Claudio Cruz, por exemplo, figura na lista dos mais importantes violinistas brasileiros e tem atuação cada vez mais expressiva como regente no Brasil e no Exterior, onde no ano passado regeu a Orquestra Sinfônica de Jerusalém, em Israel, e fez uma turnê pelo Japão. Atuando como quarteto, se consolidaram como um dos mais destacados conjuntos de cordas do País, apresentando-se também com solistas mundialmente renomados, como Emmanuel Strosser, Romain Guyot e Regis Pasquier”.
O Quarteto já se apresentou em importantes salas de concertos do País, como Theatro Municipal de São Paulo; Theatro São Pedro, em Porto Alegre; Teatro Nacional de Brasília; Teatro Guaíra, em Curitiba; e Sala Cecília Meirelles, no Rio de Janeiro.
O projeto “Instrumental Clássico no Estado de São Paulo” já passou por São João da Boa Vista, São Carlos, Rio Claro, Franca, Ribeirão Preto, Araraquara, entre outras.
O evento é uma realização da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, com  apoio do departamento de Turismo e Cultura da Prefeitura de Mococa e EPTV.
Serviço – Para assistir o concerto, basta doar 1 litro de leite em troca do ingresso. O Teatro Municipal "Pedro Ângelo Camin" fica na Pça. Marechal Deodoro, s/nº, Centro, Mococa; tels.: (19) 3665-8044/3656-9030.



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br


São Paulo não está entre as cidades mais violentas do mundo...

                                             
(Foto: reprodução/divulgação)

                                             | Por Welson Gasparini |

De acordo com relatório de ONG mexicana – divulgado no blog do ex-governador carioca César Maia –, 41 municípios da América Latina marcam presença no ranking das cidades mais violentas do mundo num crescimento avassalador: em 2012 eram 14 cidades; em 2013, 15. Em 2014, o relatório anual da ONG mexicana Conselho Cidadão Para a Segurança Pública e Justiça Penal adicionou mais municípios brasileiros e latinos ao ranking de 50 cidades com maior índice de homicídios do mundo. A maioria das “mais violentas”, eis um dado preocupante, está no continente americano (46 cidades); apenas na América Latina são 41.  Os países latino-americanos com maior problema de violência são Honduras, Venezuela, Guatemala, El Salvador, México e Brasil.
Com uma taxa de 187 homicídios a cada 100 mil habitantes, a cidade hondurenha de San Pedro Sula ocupa pelo terceiro ano consecutivo a liderança do ranking; o segundo lugar fica com Caracas, capital da Venezuela, e, em terceiro, Acapulco, no México, com taxas de 134 e 113, respectivamente, a cada 100 mil habitantes. Saíram da lista de 2014 as seguintes cidades que figuravam na lista de 2012: Brasília e Curitiba, no Brasil; Barranquilla, na Colômbia; Oakland nos EUA e Monterrey no México. Todas estas tiveram taxas inferiores ao 50° colocado, Valencia, na Venezuela.

Continuam nesse ranking negativo 16 cidades brasileiras. São elas: - Maceió (AL) com 79,8; / - Fortaleza (CE) com 72,8; / - João Pessoa (PB) com 66,9; / - Natal (RN) com 57,62; / - Salvador (BA) com 57,6; / - Vitória (ES) com 57,4; / - São Luís (MA) com 57,0; / - Belém (PA) com 48,2; / - Campina Grande (PB) com 46,0; / - Goiânia (GO) com 44,6; / - Cuiabá (MT) com 44,0; / - Manaus (AM) com 42,5; / - Recife (PE) com 36,8; / - Macapá (AP) com 36,6; / - Belo Horizonte (MG) com 34,7 e - Aracaju (SE) com 33,4.

Desagregação familiar - São Paulo, felizmente, apesar dos pesares – mas também em decorrência da política de segurança pública adotada pelo governador Geraldo Alckmin – não figura nesse ranking, embora o problema da violência em nosso estado seja grave em decorrência de um fator básico do qual me ocupo regularmente: a desagregação familiar. A família brasileira, lamentavelmente, está se afastando dos valores que tanto, no passado, a uniu; o respeito entre pais e filhos está em baixa e não há aquele espírito de fraternidade tão desejável entre os integrantes de uma mesma família. Vivemos, não custa repetir, uma crise moral agravada, sem dúvida, pela crise social representada pela falta de oportunidades de trabalho para grande parcela da população, notadamente para os mais jovens e para os mais velhos.



Welson Gasparini é deputado estadual/PSDB, advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto.

Apagão atinge Mococa e São José

Segundo CPFL Energia, abastecimento de energia foi normalizado às 14h58
(Foto: arte/reprodução)
(4/2/2014 – www.mococa24horas.com.br) O apagão registrado entre 14h00 e 15h00 desta terça-feira, 4, na região Norte e que atingiu as regiões Sul e Sudeste do País provocou falta de energia em Mococa e São José do Rio Pardo. 
Em nota à imprensa, a CPFL Energia, que controla a CPFL Mococa e CPFL Leste Paulista, informou que “uma atuação do primeiro estágio do ERAC – Esquema Regional de Alívio de Carga, coordenado pelo ONS – Operador Nacional do Sistema Elétrico, ocasionou o desligamento de 705 MW de carga, o que corresponde a 8,5% da demanda média das sete distribuidoras do Grupo CPFL no Estado de São Paulo” e que às 14h58 o abastecimento foi normalizado. A falta de energia também foi verificada nas cidades de Americana, Campinas, Piracicaba, Louveira, Jundiaí, Praia Grande, Santos, Itaí, São Roque, Hortolândia, Baguaçu, Birigui, Monte Azul Paulista, Guaíra, Sorocaba, Porto Feliz, São Bento do Turvo, Santa Cruz do Rio Pardo, Jaguariúna e Pedreira, que também são atendidas pela companhia. Sobre o ERAC, a CPFL Energia esclareceu: “O ERAC é um sistema de proteção coordenado pelo ONS – Operador Nacional do Sistema, que determina cortes de carga seletiva às concessionárias de energia elétrica, em momentos em que há redução de geração no Sistema Interligado. Este sistema de proteção é necessário para preservação do restante do Sistema Elétrico Nacional”.




Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Em 2013, tráfico de drogas e roubo a veículos disparam em Mococa

"Furto" lidera o ranking da criminalidade
(Foto: arte/reprodução)
(1/2/2014 - www.mococa24horas.com.br) Segundo os indicadores de criminalidade da Secretaria de Estado de Segurança Pública, no ano passado o delito que teve mais ocorrências em Mococa foi o de "furto", com 495 casos registrados, seguido de "lesão corporal dolosa" (340 ocorrências) e "lesão corporal culposa por acidente de trânsito" (279 ocorrências). Em 2012 este cenário se repetiu, com 645 ocorrências envolvendo “furto”, seguido de “lesão corporal dolosa” (372 ocorrências) e “lesão corporal culposa por acidente de trânsito” (308 ocorrências).
Aconteceram 13 ocorrências policiais envolvendo "estupro", 8 casos envolvendo porte ilegal de arma e foram apreendidas 10 armas de fogo, em 2013.
Tráfico de drogas e roubo de veículos disparam – As ocorrências envolvendo tráfico de drogas na cidade não param de crescer, foram 185 casos. Em 2012, no mesmo período, foram registradas 96 ocorrências, um aumento de 92,70%.
No ano passado foram registrados 24 casos de apreensão de drogas e 202 de porte de entorpecente.
O "roubo de veículo" avançou e cresceu 100% no mesmo período, em relação ao ano retrasado. Foram 12 ocorrências registradas em 2013 contra 6 em 2012.
Já os casos de “furto de veículo”, quando não há ameaça ou a vítima não está presente, tiveram um aumento de 23,52%, foram 84 casos em 2013, contra 68 em 2012.



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Carteiros de Mococa e São João aderem à greve nacional

Paralisação é protesto contra privatização de plano de saúde
(Foto: Fentect/divulgação)
(31/1/2014; atualizada em 1/2 - www.mococa24horas.com.br) A greve dos trabalhadores dos Correios deflagrada nesta quinta-feira, 30, em todo o País ganhou a adesão de carteiros de Mococa, São João da Boa Vista e Mogi Guaçu. A decisão foi tomada em assembleia da categoria realizada na quarta-feira, 29, em virtude de a empresa estatal não estar cumprindo o acordo coletivo aprovado pela Justiça no ano passado, que prevê a manutenção do plano de saúde, entrega de correspondências no período da manhã e o pagamento dos retroativos referentes ao plano de carreira de 1995.
Como a base sindical dos trabalhadores dos Correios em Mococa, São João da Boa Vista, Mogi Guaçu, pertence à Campinas, estando filiados ao Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares de Campinas e região, o Sintect/CAS - que faz parte da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares, a Fentect -, o movimento grevista quer que a Justiça faça os Correios cumprir o termo assinado.
Segundo a Fentect, estão em greve, além de Campinas e região, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Rio Claro, Vale do Paraíba, e bases sindicais filiadas em Minas Gerais, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Piauí, Amazonas, Paraná, Ceará, Santa Catarina, Pernambuco, Paraíba e Roraima. “Essa é uma lista parcial que deve ser ampliada ainda hoje [sexta-feira, 31] ou nos próximos dias, tendo em vista que ocorrerão assembleias em outros estados e em locais onde os sindicatos ainda não chamaram assembleia, a FENTECT já orientou que coloque a decisão sobre a luta contra o Postal Saúde para os trabalhadores. A FENTECT esclarece que a greve foi o recurso último para barrar a imposição da caixa de assistência Postal Saúde, que representa a privatização do convênio médico da categoria, principal benefício dos ecetistas. A greve acontece, ainda, depois que a justiça adiou pela quinta vez a decisão da ação que a FENTECT moveu contra o Postal Saúde que é uma imposição da direção da ECT e contraria o dissídio coletivo da categoria, julgado pelo TST em 2012 e 2013. A greve é por tempo indeterminado para barrar o Postal Saúde”, informa em nota a Fentect.
Outro lado – Em nota, os Correios estão informando nesta sexta-feira, 31, que as agências em todo o Brasil estão funcionando normalmente, a exemplo de Mococa, com 95,35% do efetivo total da empresa trabalhando. “Nas localidades onde há paralisação, os Correios implantaram plano de contingência e estão garantindo o funcionamento normal das agências”.
Já sobre o plano Correios Saúde fez o seguinte esclarecimento:
Os Correios reafirmam que não haverá nenhuma alteração no atual plano de saúde dos trabalhadores, o CorreiosSaúde. Nenhuma mensalidade será cobrada, os dependentes regularmente cadastrados serão mantidos e o plano de saúde não será privatizado. Todas as condições vigentes do CorreiosSaúde serão mantidas, os percentuais de co-participação não serão alterados e os trabalhadores dos Correios não terão custos adicionais.
A Postal Saúde não é um plano de saúde. É uma caixa de assistência, patrocinada e mantida pelos Correios. Desde o início de janeiro, o plano CorreiosSaúde, que atende os empregados da ECT e seus dependentes, passou a ser operado pela Postal Saúde, com política e diretrizes definidas pela ECT. As regras do plano não foram alteradas — o pagamento dos trabalhadores dos Correios referente a janeiro já foi realizado, no dia 25, e não houve cobrança de qualquer tipo de taxa ou mensalidade.
A empresa está cumprindo o que foi definido pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) no ano passado a respeito do assunto: todas as regras do plano de saúde definidas na Cláusula 11 do Acordo Coletivo de Trabalho estão mantidas”.





Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Conta de luz fica mais barata em Mococa, São José e região

Redução varia entre -6,64% e -3,54% (baixa tensão), conforme a distribuidora
(Foto: reprodução)
(30/1/2013; atualizada em 31/1www.mococa24horas.com.br) A Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, está informando nesta quinta-feira, 30, o reajuste tarifário anual 2014 e que traz a redução das tarifas de energia da CPFL Mococa e CPFL Leste Paulista, atingindo consumidores de Mococa e de 10 cidades da região, totalizando 95 mil unidades consumidoras.
A redução das tarifas de energia elétrica tem efeito médio de -9,53% (CPFL Mococa) e de -5,32% (CPFL Leste Paulista).
A partir desta segunda-feira, 3, os índices que serão aplicados às contas de luz dos consumidores residenciais de baixa tensão atendidos por estas distribuidoras serão de -6,64% (CPFL Mococa) e de -3,54% (CPFL Leste Paulista), segundo informe da Aneel. Já a classe de consumo de alta tensão terá uma redução ainda maior nas contas de luz, de -16,85% (CPFL Mococa) e de -9,51% (CPFL Leste Paulista). 
Como é feito o reajuste tarifário anual - Atendendo solicitação da reportagem do mococa24horas, a CPFL Mococa e CPFL Leste Paulista informam como é realizado o reajuste tarifário anual:
CPFL Mococa esclarece que a definição das tarifas das concessionárias de energia elétrica, bem como os processos de reajustes tarifários anuais e a revisões tarifárias, são conduzidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão responsável pela regulação do setor, e incluem os seguintes marcos:
·        Reajuste Tarifário Anual (RTA) – acontece na data de “aniversário” do contrato de concessão, e tem como objetivo repassar os custos não gerenciáveis e atualizar monetariamente os custos gerenciáveis.
·        Revisão Tarifária Periódica ocorre, em média, a cada quatro anos, e seu objetivo é preservar o equilíbrio econômico financeiro da concessão. A agência reguladora (Aneel) analisa os investimentos em eficiência da concessionária para que os ganhos alcançados com a melhoria dos processos sejam repassados ao consumidor final.
·        A Aneel pode determinar também a Revisão Tarifária Extraordinária, caso haja alterações significativas comprovadas nos custos da concessionária, modificação ou extinção de tributos e encargos posteriores à assinatura do contrato.
(...)
O índice médio de reajuste divulgado pela ANEEL é calculado conforme estabelece o contrato de concessão e contempla a variação de custos gerenciáveis pela distribuidora de energia elétrica, como custos operacionais e de capital, denominados de “Parcela B”; e custos não gerenciáveis pela distribuidora, denominados de “Parcela A”, sendo estes decorrentes de energia comprada, encargos dos sistemas de transmissão, encargos setoriais e componentes financeiros”.
Raio de atuação - A CPFL Mococa, além de Mococa, atende consumidores de Arceburgo, Monte Santo de Minas e Itamogi/MG. São 42 mil unidades consumidoras. 
Já a CPFL Leste Paulista, além de São José do Rio Pardo, atende Casa Branca, São Sebastião da Grama, Divinolândia, Itobi, Tapiratiba e Caconde. São 53 mil unidades consumidoras.



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Abertas as inscrições para Projeto Guri

Polo de Mococa oferece 90 vagas 
(Foto: Luiz Antônio Scarparo Maciel/divulgação)
(30/1/2014; atualizada em 31/1 - www.mococa24horas.com.br) Começam nesta segunda-feira, 3, as inscrições para crianças e adolescentes (idade entre 6 e 18 anos) de Mococa e São José do Rio Pardo se inscrever no projeto Guri, um programa gratuito de formação musical, instrumentos e canto coral da Secretaria do Estado da Cultura e que tem apoio do departamento de Cultura e Turismo da Prefeitura local.
O polo de Mococa oferece 90 vagas  e os cursos de canto coral, violino, viola, violoncelo, contrabaixo acústico, flauta transversal, clarinete, saxofone e percussão.
As inscrições são gratuitas e as aulas estão programadas para começar em março. Não é preciso ter conhecimento prévio de música, nem realizar testes seletivos.
Como se inscrever - Os interessados, acompanhados pelos pais ou responsáveis, munidos de RG, ou certidão de nascimento, comprovante de matrícula escolar e/ou declaração de frequência escolar e comprovante de endereço, deverão comparecer até o dia 7 de março na R. Estébio Ribeiro, 71, Centro, tel. (19) 3665-3127, dias de funcionamento: terças e quintas, das 13h00 às 18h00. 
Região – São José do Rio Pardo também tem um polo do projeto Guri e está oferecendo 116 vagas e cursos de canto coral, violino, viola, violoncelo, contrabaixo acústico, flauta transversal, saxofone, clarinete, trombone, trompete, eufônio, percussão e violão. 
Os interessados deverão se inscrever, a partir de segunda-feira, 3, na Estação Cultural (Av. Maria Aparecida Salgado, s/nº, Centro); tel. (19) 3682-8396; dias de funcionamento: quartas e sextas, das 13h00 às 17h30.



Este site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
Permitida a reprodução apenas se citadas a fonte e autoria: www.mococa24horas.com.br

Twitter Delicious Facebook Digg Favorites More

 
Licença Creative Commons
O conteúdo deste site está licenciado sob Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Brasil License.